Alimente sua memória.

Incluir esses tesouros do mar na alimentação previne doenças como Alzheimer, Parkinson, tumores e problemas cardiovasculares

Com uma costa marítima bastante extensa e diversificada, os brasileiros em geral – diferentemente dos povos orientais – ainda aproveitam pouco os benefícios dos alimentos vindos do mar. Exemplo disso são os peixes: proteínas de alto valor biológico, fácil digestibilidade e com inúmeros efeitos positivos sobre a saúde. Grelhado, assado, cozido e até cru (desde que tenha qualidade comprovada), incluir um pescado no cardápio de 2 a 3 vezes por semana é garantia de muito mais benefícios para o corpo.

Gordura do bem

Se nas carnes vermelhas as mais gordas devem ser evitadas, nos peixes é justamente o contrário: quanto mais gordurosos, melhor. Sardinha, salmão, atum e truta vivem em água fria e para suportar as baixas temperaturas têm uma espessa camada adiposa, onde se concentra o ômega 3. “Essa gordura poli-insaturada é benéfica para o coração, tem ação anti-inflamatória, melhora a função cerebral e articular e facilita a recuperação muscular após exercício intenso, permitindo a assimilação de novas proteínas pelas fibras musculares”, explica a nutróloga e médica ortomolecular Tamara Mazaracki.

Coração forte

Incluir a carne que vem das águas no cardápio diário também afasta os riscos de doenças cardiovasculares. O ômega 3 diminui a formação de trombos, coágulos e placas de gordura nos vasos sanguíneos, protegendo as artérias e o coração de problemas como arterosclerose, acidente vascular cerebral (AVC) e infarto.

Devido à gordura de boa qualidade e ao magnésio, também presente nos peixes, o fluxo sanguíneo é favorecido, assim como a pressão arterial e o colesterol, cujos índices se reduzem. Os diabéticos também são beneficiados com a ingestão do alimento, pois o ômega 3 age sobre a produção de insulina, facilitando o processamento da glicose em energia.

Cuca fresca

Sabe aquela história de que ingerir peixe faz bem para a memória? É verdade. “O consumo semanal desse alimento pode ajudar a prevenir o mal de Alzheimer e de Parkinson”, afirma Tamara. Uma pesquisa realizada na Universidade Lavai, no Canadá, revelou que, ao gerar impulsos nervosos, o ômega 3 (encontrado principalmente nos peixes) potencializa a comunicação entre os neurônios e os protege dos radicais livres, destruidores das células. “Outros estudos indicam que os portadores de asma e bronquite também se beneficiam do consumo de pescados, graças aos seus ômegas e à vitamina E”, completa a nutróloga.

Anticâncer

Principal fonte do precioso ômega, os peixes também previnem diversos tipos de câncer. “Estudos mostram que os riscos de tumores como o de mama, o de próstata e o de cólon são reduzidos em pessoas que consomem pescados pelo menos duas vezes por semana”, diz a nutricionista Greice Caroline Baggio.

Mais benefícios

A gordura poli-insaturada também ajuda quem deseja eliminar os quilinhos extras, favorecendo a queima da gordura ruim e o controle do apetite. Outros nutrientes garantem bônus.

O cálcio ajuda na manutenção dos ossos, assim como o fósforo, que também preserva a memória. O potássio protege contra a hipertensão e o iodo ajuda a regular a tireóide. As vitaminas A e D fortalecem o sistema imunológico. Já as do complexo B evitam a fadiga e a perda de memória, diminuem os sintomas da depressão, combatem a anemia e o envelhecimento.

Outras variedades

Arenque, cavala, tainha, anchova e cherne são outros tipos de peixes gordos. “Todos os peixes, no entanto, gordos ou magros, são bem-vindos: robalo, garoupa, cação, dourado, linguado, bacalhau, hadoque, pescada, namorado ou merluza”, acrescenta Tamara. Embora os de água doce sejam menos ricos em ômegas 3 e 6 que os de água salgada, são igualmente nutritivos e possuem importantes substâncias para o desenvolvimento do cérebro e da retina das crianças, além de renovarem os tecidos, ajudarem a combater inflamações e a protegerem o sistema cardiovascular dos adultos.

Compre certo

Na feira, no supermercado ou em lojas especializadas, para garantir um bom peixe, observe as seguintes dicas:

• O alimento precisa estar conservado no gelo.

• Escolha o mais fresco: com carne firme, resistente à pressão dos dedos, odor característico suave, escamas bem presas à pele, guelras úmidas e vermelhas, olhos brilhantes e translúcidos.

• Em casa, guarde na geladeira ou no congelador e procure consumir o mais rápido possível.

Campeões em ômega 3

Além de fornecerem ótimo aporte de gordura de boa qualidade, os pescados têm propriedades particulares:

Sardinha: riquíssimo em ômega 3, também fornece cálcio e potássio de boa quantidade.

Salmão: é uma mina de potássio que controla as contrações musculares.

Truta: embora sua taxa de ômegas seja menor, contém selênio, que previne tumores.

Atum: ótimo para prevenir anemia, já que tem generosas doses de ferro.

APROVEITE BEM!

• Nada de fritar! Além do óleo da fritura ser nocivo ao organismo, sob altas temperaturas, as boas gorduras do peixe oxidam e se perdem.

• Se optar pelo peixe cru (sashimi), mantenha-o congelado a -35°C por 15 horas antes de consumir.

Fonte: Cozinha Prática Emagreça com Saúde – Vol. 3 – Págs. 24 e 25

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Ingresse seu nome

cinco × 5 =